Artigos

AO COMEÇAR AQUELA DIETA – 3 VERDADES SOBRE A IMAGEM CORPORAL

Objetivos relacionados à saúde, fitness e perda de peso são as principais resoluções de Ano Novo ano após ano. Há algo sobre a primeira semana de janeiro que nos convence: este será o ano em que eu vou me encaixar em meus jeans da época da faculdade. As matrículas em academias e vendas de roupas de ginástica alimentam a nossa nova resolução, ao mesmo tempo em que as opções para o coaching do bem-estar estão ao nosso alcance, até mesmo no Facebook.


Eu tenho lutado com meu peso desde sempre. Na escola primária, escondia-me dos rapazes cruéis debaixo de blusas largas na piscina. Aos 12, eu perdi um pouco de peso e finalmente consegui a atenção que eu ansiava, então eu decidi fazer tudo que estivesse ao meu alcance para mantê-lo. Os anos que se seguiram foram marcados por ciclos de dietas, planos de exercícios e vômitos forçados, mas nunca foram o suficiente. Eu me olhava no espelho e sentia apenas vergonha e nojo.


Ter um bebê bem antes dos meus amigos aumentou o problema à medida que eu comparava seus corpos novos e sem marcas ao meu, esticado e desgastado. E apesar de a segurança de um novo relacionamento com Jesus e um marido amoroso trazerem uma confiança que eu não havia experimentado antes, eles não desfizeram automaticamente anos de uma imagem coporal distorcida. Mais dois bebês e vários anos depois, ainda luto para reconciliar o que sei ser verdadeiro sobre minha identidade em Cristo com a imagem que vejo no espelho.


Alguns teólogos dizem ser Romanos 8 o capítulo mais importante da Bíblia. Está cheio de indicativos gloriosos que são fundamentais para a identidade cristã. As riquezas teológicas encontradas aqui não são abstratas e desconectadas; Elas têm implicações de longo alcance, até mesmo para algo como a imagem corporal.


Aqui estão três verdades de Romanos 8 que podem nos guiar enquanto consideramos nossas resoluções de Ano Novo relacionadas à saúde.


1.     Deus nos liberta da condenação


A beleza é cultural e arbitrariamente definida. Algumas culturas demandam quadris largos; a nossa exige pernas tipo palito de dente. Qual é o padrão que estamos tentando alcançar? A Escritura não nos dá um tipo de corpo ideal, mas um padrão moral do qual todos nós ficamos aquém.


O desejo de se olhar no espelho e gostar do que vê é fruto do desejo da alma de estar bem. Peso extra, dietas quebradas, exercícios perdidos – transformam-se em mais provas nos acusando. Então, respondemos tentando nos justificar. Fazemos um plano, começamos na segunda-feira, e trabalhamos para alcançar esse padrão de perfeição ilusório.


Romanos 8:1 diz: "Portanto, agora não há condenação para os que estão em Cristo Jesus". Esta é a realidade do evangelho: Por causa do sangue de Cristo, estamos bem, mesmo em nossa forma física atual.


Sejamos honestos, não é a Deus que queremos agradar, alcançando uma certa forma física (embora acredite que isso é subjacente a todos os nossos esforços). Queremos agradar aos outros. Queremos que as pessoas pensem que somos bonitos, sexy, confiantes e fortes. Tememos o julgamento delas.


O amor de Deus por nós é imutável porque é baseado nele, não em nós. Mas o amor das pessoas é inconstante. Conseguir um tipo de corpo ideal ou a aprovação de outros nunca nos dará a satisfação que desejamos. Nunca será suficiente. E embora possa haver problemas do coração e pecado que precisam ser abordados quando se trata de comida e exercício, é no confiar que somos aceitos como filhos amados de Deus é que encontraremos a liberdade de descascar essas camadas e enfrentar o que está debaixo da superfície.


Por definição, imagem corporal refere-se a como nos enxergamos. Queremos olhar no espelho e gostar do que vemos. Mas o sangue de Cristo supera toda acusação, seja vinda de fora, seja de dentro. Quando nossos corações nos condenam, Deus é maior do que nossos corações (1 João 3:2).


2.     Deus está operando em todas as coisas


Romanos 8:28-30 declara que Deus opera todas as coisas para o bem daqueles que o amam. O que está em pauta é a transformação do nosso caráter, para que nos tornemos cada vez mais como Cristo.


Isso aponta para a prioridade de Deus para nossas vidas: nossa santificação. Conseguir um certo tipo de corpo não o torna mais ou menos santo. "Exercita-te a ti mesmo em piedade", escreve Paulo, "Porque o exercício corporal para pouco aproveita, mas a piedade para tudo é proveitosa, tendo a promessa da vida presente e da que há de vir." (1 Timóteo 4:7-8). Ele não diz que o treinamento físico não tem valor, mas o coloca em seu devido lugar. A prioridade é o caráter cristão, não uma figura culturalmente aceitável.


E uma vez que Deus está trabalhando para trazer à tona a nossa santidade, e estando ele agindo em todas as coisas, entende-se que nossas dificuldades relacionadas à disciplina física dão frutos espirituais. Nossas lutas e sucessos nessa área são meios que Deus usará para expor nossos ídolos, arrancar nosso orgulho e desafiar nosso egoísmo. Isso oferece esperança na luta. Quando eu falhar em minha dieta pela 354ª vez, posso ter a confiança de que Deus usará até esse fracasso para continuar me moldando à imagem de seu Filho. Ele terminará o que começou (Filipenses 1:6).


3.     Nossos corpos são para a glória de Deus


Romanos 8:23 descreve nosso clamor interior junto da criação caída. Esperamos ansiosamente por nossa adoção como filhos e pela redenção de nossos corpos. Por enquanto, no entanto, nossos corpos existem em um estado caído. Temos a promessa da glória futura, de um corpo ressuscitado que nunca experimentará a doença ou a morte. Mas até então, vivemos no "ainda não" com corpos que estão constantemente envelhecendo e que inevitavelmente morrerão.


Quando Paulo disse à igreja de Corinto, "Seu corpo é um templo", ele não estava desafiando-os a perseguir a aptidão física; Ele estava confrontando a facilidade com que usavam seus corpos para pecar. Devemos usar nossos corpos para honrar a Deus (1 Coríntios 6:19-20). Fazemos isso primariamente exercitando diariamente e comendo orgânicos, ou principalmente, dedicando nossas vidas aos outros?


Nossos corpos são ferramentas que Deus nos deu para realizar seus propósitos na terra, pelo seu poder e para a sua glória. Nós carregamos o tesouro do Evangelho em vasos de barro. Por que Deus nos deixa nesta forma? Por que ele não nos transforma agora em belos vasos de porcelana dignos de estar em uma prateleira? Porque como vasos fracos, mostramos que o poder supremo pertence a Deus e não a nós (2 Coríntios 4:7).


Um amigo me disse uma vez: "Você tem que cuidar da sua ‘vestimenta terrena.’ Há pessoas que dependem de você." Se considerarmos nossos corpos em termos de mordomia, estamos dando um passo gigantesco em direção a uma imagem corporal mais saudável. Nossos corpos são caídos, mas enquanto estamos aqui, eles podem ser mais ou menos úteis, dependendo de como cuidamos deles. Mas o objetivo é menos forma e mais funcionalidade. Oferecemos nossos corpos como sacrifícios vivos, prontos para o que Deus nos chama a serviço dele e dos outros. Ele fez cada um de nós únicos. Não estamos destinados a lutar por um molde inatingível, mas sim celebrar o Criador que não usou um.


Desejo de Novidade


Nossos corpos revelam problemas em nossos corações. Nosso relacionamento com a comida, nosso desejo de aprovação e reconhecimento de outros, a mentira de que alcançar um certo peso ou tamanho trará satisfação – todos são coisas contra as quais vale a pena lutar. O treinamento físico tem algum valor. As resoluções de Ano Novo podem ser úteis para nos levar a uma melhor administração do tempo.


Mas mesmo enquanto lutamos pela saúde, nossos corpos continuarão a gemer. Desejamos ser feitos novos. Assim, antecipamos o dia em que esses corpos corruptíveis serão ressuscitados incorruptíveis (1 Coríntios 15:42). Aguardamos com esperança a redenção de nossos corpos, pois nesta esperança fomos salvos (Romanos 8:24).




Autora: Kendra Dahl

Tradução: Moacir Campos

Título Original: As You Start That Diet: 3Truths About Body Image



Você está autorizado e incentivado a reproduzir e distribuir os artigos em qualquer formato, desde que informe o(a) autor(a) e a fonte do artigo, bem como as fontes intermediárias, inclusive o Projeto Perguntar Não Ofende. Não é permitido: a alteração do conteúdo original e a utilização para fins comerciais.

Caso você queira fazer alguma reclamação, bem como alguma crítica ou sugestão, envie-nos um e-mail para: pno@pipg.org.