Artigos

VOCÊ SE EXERCITA COMO UM DESCRENTE?

Deus nos fez para nos mexermos e fazê-lo vigorosamente. E ele conectou nossos cérebros para recompensá-los e reforçá-los com produtos químicos chamados "endorfinas". O exercício faz os seres humanos mais felizes.


O exercício humano regular foi assumido ao longo da história, mas as inovações e o progresso aparentes da vida moderna fizeram um estilo de vida sedentário mais normal do que nunca. Nós nunca precisamos declarar o óbvio sobre o exercício físico, tanto quanto fazemos hoje.


Inúmeros incrédulos experimentam e desfrutam conscientemente do dom do exercício, mas não adoram a Jesus ou têm o Espírito Santo. Deve haver algo distinto sobre como um cristão se exercita? Como experimentamos o dom natural de Deus para o exercício físico de tal maneira que nos beneficiem espiritualmente?


Receba o Exercício Físico com Ação de Graças


A palavra de Paulo em 1 Timóteo 4:4-5 explode com implicações para uma vida cristã autêntica no mundo maravilhosamente físico de Deus. Aqui relações conjugais e refeições cotidianas estão em vista de forma explícita, e o exercício físico é manifestamente relevante.


Pois tudo o que Deus criou é bom, e nada deve ser rejeitado, se for recebido com ação de graças, pois é santificado pela palavra de Deus e pela oração.” (1 Timóteo 4:4-5).


Receber o exercício físico, e suas alegrias, com ação de graças começa ao reconhecê-lo como um dom divino e ao recebê-lo com gratidão. E gratidão direcionada Àquele que a concede.


É muito fácil para alguns de nós que ainda estamos relativamente intactos fisicamente, e desfrutamos de alguma dose de boa saúde, não nos maravilharmos com o fato de podermos andar por meia hora, ou mesmo correr vários quilômetros. Nesta criação caída e amaldiçoada, muitos grandes santos são terminantemente guardados dos prazeres de Deus no exercício físico. As deficiências são abundantes nesta era.


Mas a graça de Deus é suficiente para nossos espinhos (2 Coríntios 12:9), e ele tem suas maneiras alternativas de comunicar prazeres naturais a pessoas impossibilitadas. Um irmão querido que eu conheço mais do que compensa cada quilômetro que ele não pode correr com uma risada monstruosa daquelas de doer a barriga, o tipo de riso só conhecido por aqueles que sofreram muito.


O primeiro passo para tornar nosso exercício sagrado é recebê-lo como o dom que é, não tendo o movimento corporal e os esforços físicos com desdém, mas explicitamente agradecendo a Deus. Nós dizemos: "Pai, obrigado porque minhas pernas e pulmões funcionam como deveriam. Obrigado por braços que se movimentam e se levantam. Obrigado pelo equilíbrio, e por não ter uma doença ou outra condição que me restrinja a uma cama."


No mundo gemente em que vivemos (Romanos 8:22), é uma coisa notável ter um corpo que funcione o suficiente para o exercício físico significativo. Quase nenhum de nós agradece a Deus o suficiente por tal misericórdia.


Faça Exercício Santo


Receber a capacidade de se exercitar felizmente é um ponto de partida vital, mas há mais a dizer do que apenas isso. "É santificado pela palavra de Deus e pela oração" (1 Timóteo 4:5). O que significa fazer com que a atividade física, e suas recompensas de endorfina, sejam "santificadas pela palavra de Deus e pela oração"?


"A palavra de Deus" é o que Deus disse, o que ele soprou nas Escrituras sobre nossos corpos físicos. Nosso exercício físico e esforços não serão santos se pensarmos em nossos corpos de maneiras que não são verdadeiras, em mentiras sutis e abertas em desacordo com o que Deus revelou (e nossa sociedade está cheia delas hoje).


"Oração", então, é a nossa resposta de volta a Deus à luz do que ele disse.


O que Deus diz sobre nossos corpos


1 Coríntios 6 pode ser um primeiro ponto a se considerar. O versículo 12 nos desafia a fugir dos hábitos de escravidão ("Eu não serei dominado por nada", 1 Coríntios 6:12), enquanto que os versos 19-20 fazem esta poderosa declaração sobre nossos corpos:


“Acaso não sabem que o corpo de vocês é santuário do Espírito Santo que habita em vocês, que lhes foi dado por Deus, e que vocês não são de si mesmos? Vocês foram comprados por alto preço. Portanto, glorifiquem a Deus com o corpo de vocês.” (1 Coríntios 6: 19-20).


1.      Seu corpo pertence a Deus


Contrariamente às vozes das sereias soando em cada percurso hoje, seu corpo não é seu, mas pertence a Deus – e duplamente. Ele criou você e então o comprou de volta pelo preço infinito de seu próprio Filho. Então, Deus enfaticamente quer que o honremos fazendo uso dos corpos que ele nos deu (ao grau de nossas capacidades), e não que os deixemos desnecessariamente inativos.


2.      Deus recomenda o esforço corporal


Deus claramente recomenda o esforço de nossos corpos pelo esforço do trabalho (Efésios 4:28; 2 Tessalonicenses 3:10), até mesmo trabalho árduo (2 Timóteo 2:6) – para que não sejamos ociosos, mas "ocupados no trabalho" ( 2 Tessalonicenses 3:11). A preguiça é pecado, e um perigo físico e espiritual (Provérbios 21:25). E, em particular, 1 Timóteo 4:8 afirma o valor do treinamento corporal.


3.      A saúde espiritual é final; A saúde física não é


No entanto, a carga para o esforço corporal é sempre moderada pelo cristão. Ao apropriar-se do que Deus disse sobre nossos corpos, e o treinamento deles, é essencial que observemos a palavra equilibrada de 1 Timóteo 4: 8: "Porque o exercício corporal tem algum valor, mas a piedade para tudo é proveitosa, tendo a promessa da vida presente e da que há de vir." [tradução livre da versão ESV]


O reconhecimento de que "exercício corporal tem algum valor" serve em ambos os sentidos. Aqueles que são voluntariamente sedentários precisam ouvir que Deus realmente valoriza o esforço de nossos corpos; e aqueles que estão propensos a fazer do exercício físico um ídolo precisam ouvir que ele é apenas de algum valor, relativizado pela busca da piedade que é de valor em todos os sentidos (1 Timóteo 4: 8).


Como orar pelo nosso exercício físico


Finalmente, então, de acordo com 1 Timóteo 4: 4-5, não basta apenas agradecer a Deus pelo exercício físico e enxergá-lo à luz do que ele diz. Santificá-lo também envolve oração – pedindo ajuda a Deus. Mas o que pedimos? Aqui estão algumas sugestões para você começar, ao considerar a sua própria atividade física:


Pai, por favor, dá-me a vontade de superar a preguiça amanhã de manhã, apronta os meus calçados e dá o primeiro passo – e depois trabalha tal disciplina ao longo da minha vida na luta contra o pecado.


Pai, dá-me o impulso de empurrar o meu corpo a além do que é apenas confortável, para "disciplinar o meu corpo e mantê-lo sob controle" (1 Coríntios 9:27), e trabalha em mim, pelo seu Espírito, para que o treinamento físico venha a amadurecer o fruto espiritual do autocontrole (Gálatas 5:23).


Pai, afrouxa meu controle sobre meu próprio desempenho e resultados e objetivos pessoais. Que o meu exercício não seja em última instância sobre mim, mas sobre o meu maior prazer em Jesus.


Pai, guarda-me de valorizar o treinamento corporal mais do que a piedade. Em vez disso, torna estes esforços santificados, através da minha atuação na fé, para que este exercício sirva à minha santidade, em vez de competir com ela.


Pai, concede que eu te conheça e me deleite mais em ti ao exercitar meu corpo dessa maneira. Dá que eu sinta teu prazer através deste dom natural para estar espiritualmente satisfeito o suficiente ao sacrificar minhas próprias preferências e rotinas pessoais para atender às necessidades dos outros.


Como cristãos, nosso objetivo final no esforço corporal não é perda de peso ou saúde máxima a longo prazo – e definitivamente não é mera aparência física. Em vez disso, buscamos maior alegria em Deus, e maior amor ao próximo.


O que torna o exercício santo, e amoroso, é a oração para que nossos gastos de energia levem à nossa prontidão crescente em usá-los como sacrifício pelos outros.




Autor: David Mathis

Tradutor: Moacir Campos

Texto Original: Do You Exercise Like a Nonbeliever?



Você está autorizado e incentivado a reproduzir e distribuir os artigos em qualquer formato, desde que informe o(a) autor(a) e a fonte do artigo, bem como as fontes intermediárias, inclusive o Projeto Perguntar Não Ofende. Não é permitido: a alteração do conteúdo original e a utilização para fins comerciais.


Caso você queira fazer alguma reclamação, bem como alguma crítica ou sugestão, envie-nos um e-mail para: pno@pipg.org.