Artigos

MEU SONHO DE SOLITUDE

Um hino para mulheres solteiras


Como uma mulher solteira por volta dos meus 20 anos, eu sei que uma época de solitude muitas vezes pode ser cheia de decepção e mágoa. Tenho esperanças de um marido e uma família próximos do meu coração, mas também espero manter Jesus ainda mais perto. No fim da minha vida, seja eu casada por quarenta anos, seja solteira por setenta, desejo que se diga de mim: "Ela era devotada a Jesus".


Solteira ou casada, nós pertencemos a outro alguém.


Meu estado civil pode ler "solteira" na minha declaração de imposto, mas eu não sou desvinculada. Eu pertenço a alguém. E este não é algum esposo futuro indescritível. Estou falando de Cristo. Eu sou dele.


Porque Cristo nos comprou com seu sangue, não somos nossos (1 Coríntios 6: 19-20). Nós não fomos feitos ou salvos para este reino, mas para outro reino, um espiritual. E nesse reino espiritual, Jesus é claro ao dizer que as pessoas não se casam, nem se dão em casamento. Assim, apesar do fato de que o casamento é belo e sagrado, não fomos feitos para a felicidade terrena a dois. Isso deve nos libertar para viver grandes sonhos de solteira agora, enquanto esperamos pelo casamento.


Fomos criados para Cristo, para ser um com ele. Ele e eu – fomos feitos um para o outro (Efésios 1:5-6). Esta é uma combinação feita no céu, e para o céu. Ele é nosso, e nós somos dele. E essa união pode satisfazer todos os outros anseios. Mesmo se um cônjuge morre, separa-se, desilude ou nunca é colocado em primeiro lugar, já temos uma perfeita união de glória e alegria que nos aguarda e que ultrapassa em muito a ofuscada cópia da qual podemos desfrutar por um tempo aqui.


A Solitude é boa


Paulo, aparentemente, era solteiro, pelo menos durante boa parte de sua vida, e falava de seu estado civil em termos brilhantes. A solitude é boa, e é um dom de Deus (1 Coríntios 7:7-8). Eu posso acordar amanhã certa de que não ser casada é bom para mim, e que é o meu chamado para aquele dia. Deus não dá presentes de segunda categoria. Não é porque pedi pão que Deus me dará pedra no lugar (Mateus 7:9). Não, a solitude e o casamento são dons diferentes, cada um com desafios e bênçãos, mas eles são igualmente bons.


Elisabeth Elliot escreve:


“Mas tendo passado agora mais de 41 anos solteira, aprendi que é realmente um dom. Não um que eu escolheria. Nem muitas mulheres escolheriam. Mas não escolhemos nossos presentes, lembra? Nós os recebemos daquele que divinamente nos concede e que conhece o fim desde o início e deseja acima de tudo dar-nos o dom de si mesmo.”


O que quer que os próximos anos me reservem, eu sei que ele me chamou para o dom da solitude hoje, por mais pesado que esse dom possa parecer alguns dias. Quando Deus nos dá dons que nós não escolheríamos, ele também nos dá a si mesmo de maneiras que de outra forma não o teríamos conhecido.


Este mundo não é o nosso lar


Aqueles que ainda não são casados ​​anseiam por amor e por um lugar para chamar de lar. Desejamos coisas boas, e nossa dor é legítima. Mas somos facilmente iludidos com tesouros temporários, esquecendo que este lugar machucado e com cicatrizes não é a nossa casa para sempre. Nenhum casamento vai durar para sempre. Mesmo o melhor deles haverá de terminar com a morte. Isso significa que os casados ​​e os solteiros devem formar suas mentes em torno desta verdade:


Isto, porém, vos digo, irmãos, que o tempo se abrevia;  o que resta é que também os que têm mulheres sejam como se não as tivessem; E os que choram, como se não chorassem; e os que folgam, como se não folgassem; e os que compram, como se não possuíssem; E os que usam deste mundo, como se dele não abusassem, porque a aparência deste mundo passa.” (1 Coríntios 7:29-31).


Paulo não está dizendo a seus leitores para negligenciar suas famílias, mas sim mudando nossos paradigmas, nos preparando para viver como peregrinos em um mundo destinado à destruição. Isso significa que os casados ​​devem viver como se seu cônjuge não fosse deles para sempre, e os solteiros devem viver como se um cônjuge não viesse a nos pertencer. No fim dos tempos aqui na terra, somente nossa união com Cristo sobreviverá.


A Solitude é para a devoção


Do apóstolo Paulo à Elisabeth Elliot, ambos estão realmente dizendo a mesma coisa. A solitude é para a devoção – para o viver pelo Evangelho e para o amar a Cristo.


“O solteiro cuida das coisas do Senhor, em como há de agradar ao Senhor; [...] A solteira cuida das coisas do Senhor para ser santa, tanto no corpo como no espírito.” (1 Coríntios 7:32, 34)


Deus nos oferece a solitude como uma oportunidade para correr em direção a Cristo. Devoção não é apenas um hobby para passar o tempo enquanto esperamos por alguém perfeito. Não, é por isso que estamos esperando. Por Cristo. O Alguém Perfeito veio, e ele veio para nos dar a si mesmo. Nós estivemos esperando por felicidade; eis aqui um amor maior que a nossa compreensão e uma alegria além de nossos sonhos mais loucos.


Como mulheres solteiras, diga-se de nós que a nossa única preocupação é agradar ao Senhor, que nosso único objetivo é a devoção sincera a Cristo. Que esta seja a bandeira hasteada sobre o equilíbrio de nossos dias, nosso único mantra, estando casadas ou não.


Você foi concebida para desfrutar da única coisa que transcende as belezas do casamento e dura para a eternidade. Procure-a e você encontrará o máximo da solitude e do casamento, qualquer que seja o dom que lhe for dado por Deus.



Autora: Leanna Branner

Tradutor: Moacir Campos

Texto Original: My Dream Singleness – An Anthemfor Unmarried Women



Você está autorizado e incentivado a reproduzir e distribuir os artigos em qualquer formato, desde que informe o(a) autor(a) e a fonte do artigo, bem como as fontes intermediárias, inclusive o Projeto Perguntar Não Ofende. Não é permitido: a alteração do conteúdo original e a utilização para fins comerciais.

Caso você queira fazer alguma reclamação, bem como alguma crítica ou sugestão, envie-nos um e-mail para: pno@pipg.org.